França – Solidariedade com a luta dos trabalhadores contra os ataques à Segurança Social

Os trabalhadores em França estão há mais de um mês em luta contra os ataques do governo Macron à Segurança Social. Este governo pretende aumentar a idade mínima de reforma e privatizar progressivamente a Segurança Social, hipotecando o futuro dos trabalhadores e enchendo os bolsos das empresas privadas de seguros.

 

Contudo, vários sectores como a SNCF (transportes ferroviários), a RATP (transportes de Paris), as refinarias e os professores, têm reagido com força e amplo apoio popular, motivo pelo qual Macron recuou com o aumento da idade mínima.

 

A CASA, organização de coordenação sindical entre diversos sectores, declara a sua solidariedade activa com esta luta. A destruição da Segurança Social e do direito a uma vida digna depois de uma vida de trabalho está na mira de vários governos por todo o mundo. Com a ajuda das suas instituições internacionais, como a União Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional, a mando e em benefício do mercado financeiro, os governos têm imposto estes ataques nas suas agendas de ação. Em Portugal a Segurança Social tem vindo a ser também fortemente atacada. Durante os anos da troika, os governos da direita aumentaram a idade da reforma para 66 anos vinculando-a ao aumento da esperança média de vida e também aumentaram a penalização pelas reformas antecipadas, não contando com o aumento da produtividade que daria, mesmo com o aumento da esperança média de vida, direito à reforma mais cedo. Já nos anos da “Geringonça”, estas medidas não foram revertidas globalmente.

 

Os trabalhadores de A CASA – além de divulgarem as lutas dos trabalhadores franceses apelando à solidariedade dos trabalhadores em Portugal -, contribuirão inanceiramente para os fundos de greve que em França os trabalhadores estão a organizar.

 

Apelamos ainda que as centrais sindicais e restantes organizações de trabalhadores francesas apoiem firmemente esta luta dos trabalhadores contra estas medidas do governo Macron e convoquem as ações de luta necessárias ao derrube deste ataque.

 

A derrota de Macron, assim como a demonstração de combatividade e resistência que os trabalhadores franceses, é um exemplo e um avanço na luta dos trabalhadores de todo o mundo por uma vida digna e um trabalho com direitos!